Período de aproximação

No final de semana de 28 e 29 de julho, começamos a fazer as visitas individuais para nossos filhos. O abrigo pede que as visitas sejam feitas entre 15h e 17h, mas nos dois dias ficamos para dar o jantar para eles umas 17h e pouco, depois de brincar em uma salinha reservada. No sábado, nós já sabíamos que aquela era nossa família! No domingo, saímos do abrigo com uma sensação esquisita de estarmos deixando nossos filhos dormirem em um lugar que não era mais a casa deles. Eles precisavam vir para casa logo!

Na segunda de manhã, conversei com a psicóloga e falei que queríamos que eles viessem para casa o mais rápido possível, antes do próximo final de semana. Ela sugeriu que fizéssemos visitas diárias para eles e que tentaria preparar o termo de guarda e autorização para desabrigamento para a sexta-feira. E assim fizemos: na própria segunda-feira, não conseguimos ir; na terça-feira fiz a visita sozinha, na quarta-feira meu marido foi sozinho e na quinta fomos juntos.

Durante essa semana, começamos a contar para eles e para as tias que cuidavam deles que eles iriam para casa em breve. Assim, elas também poderiam dizer para eles todos os dias que iriam morar com o papai e com a mamãe!

Anúncios
Etiquetado , ,
%d blogueiros gostam disto: