Arquivo da tag: gêmeos

Não são mais gêmeos

Minha filha esticou. Está bem mais alta e com menos cara de bebê que o irmão. Tá moça. Tão moça que há uns meses ninguém mais me pergunta se são gêmeos. Quem os conhece agora assume que ela é um ano mais velha.

Tô aqui vendo na prática como é verdade que as mulheres amadurecem mais rápido. 🙂

Anúncios
Etiquetado ,

No metrô

Um senhor puxando assunto:

– Seus filhos são lindos!

– Obrigada.

– São gêmeos?

– São sim.

– Eu também sou gêmeo.

– Que legal.

– Qual o nome deles?

– Isaac e Ruth.

– Eu sou Adão e minha irmã é a Eva.

– Ok, moço, o senhor venceu.

Etiquetado ,

Falta de individualidade

Eu estava só com meu filho em um taxi indo para a fono, e ele me diz:

– Mamãe, a gente quer ir no parque.

– A gente, quem?

– Eu e a Ruth.

– Mas a Ruth nem está aqui, como você sabe que ela quer ir ao parque?

– …

Outro dia, meu filho tomou uma bronca por um coisa que ELE aprontou sozinho, sem participação da irmã, e começou dar chilique:

– Tô bravo porque você me deu bronca! Vou embora daqui junto com a Ruth!

– Mas por que você vai com ela? Só você está bravo, não é melhor ir sozinho?

– …

Minha filha também parte da premissa que ela e o irmão são um organismo único, como se ainda dividissem o mesmo útero, só não me lembrei de nenhum exemplo agora.

Buscar com que cada um dos filhos gêmeos entenda que eles são seres individuais tem sido muito difícil. Algumas coisas óbvias eu já fiz: separei os quartos, separei as classes na escola. Mas idade igual força os dois a terem rotinas e tratamentos e interações totalmente iguais, e acho que isso dificulta esse processo.

Um amigo me disse que estou sendo ingênua e que na verdade eles estão organizando uma luta armada contra mim. Acho que não. Ainda. Não duvido que eles logo percebam que são dois contra um. De qualquer forma, um problema de cada vez. Quero antes ter certeza que eles entenderam o conceito de “individualidade”. Depois luto contra o movimento organizado.

Etiquetado

Separação dos bebês

Acho que o grande problema em irmãos gêmeos é que eles acabam virando sombra um do outro. Por mais que sejam crianças diferentes, com gostos diferentes, personalidades diferentes, a gente acaba fazendo tudo exatamente igual com os dois. Eles dormem no mesmo horário, acordam no mesmo horário, vestem o mesmo tipo de roupa, comem a mesma coisa no café da manhã com o mesmo tipo de utensílios, vão para a escola juntos, estudam na mesma sala com a mesmíssima rotina e os mesmos amigos e terminam o dia com banho no mesmo horário e cama no mesmo horário. No final de semana, mesma coisa: mesmos passeios, mesmos horários, sempre a mesma pessoinha colada no outro o dia todo, pra todo canto. Com exceção dos compromissos médicos, a vida dos dois é muito igual.

É claro que para os papais este aspecto é um ganho de escala e facilita a vida. Deve ser muito mais difícil gerenciar duas crianças com logísticas diferentes. Mas esse grude todo acabou nos trazendo duas questões para pensar e resolver.

A primeira delas foi na escola. Meu filho é bagunceiro. Bagunceiro, levado, arteiro, é só olhar para a cara dele que dá pra perceber. Segundo as professoras, é ele que tem ideias mirabolantes de subir em cima da mesa do refeitório, levantar da roda quando a tia está contando histórias, tirar os sapatos e ficar correndo descalço. Mas se ainda fosse um só… O problema é que quando ele pensa em uma travessura, imediatamente convoca a irmã, que imediatamente segue o mocinho, e todas as bagunças já começam com dois envolvidos. Antes dessa conversa com a coordenação da escola, nós já vínhamos pensando que seria interessante para os dois ter os próprios amigos, a própria professora, uma vidinha independente durante o dia e reencontrar o irmão no final da tarde para matar as saudades. Só não sabíamos o momento ideal. Mas com toda essa questão da bagunça, decidimos: no ano que vem eles estudarão em classes diferentes.

A segunda questão foi o quarto dos dois. Eu sempre achei que dividir quarto com o irmão, independente de sexo e idade diferentes, trouxesse um monte de coisas positivas para as crianças, por causa da convivência, divisão do espaço comum e coisas assim. Até meu filho trazer para casa a mesma forma de tocar-o-terror quando estão sozinhos dentro do quarto. Na hora de dormir, ele desenvolveu uma mania extremamente irritante de bater a cabeça na cama antes de dormir, enquanto canta alto. Ele bate a cabeça na grade que o protege para não cair no chão, que é molinha, então não machuca. O problema é a cama balança, anda, faz barulho, encosta no armário ou na parede e faz os vizinhos acharem que estamos martelando alguma coisa em horário proibido. Difícil deixar a irmã dormir nessa confusão toda, principalmente porque a mamãe precisava entrar no quarto 357 vezes para pedir para ele parar com aquilo. Geralmente ele caía no sono em uns 20 minutos de tortura materna, então se fosse só isso estava bom.

Mas não. Ele resolveu começar a acordar às 5h da manhã. CINCO. DA. MANHÃ. E o que você faz quando acorda às 5h da manhã? Pula na cama da irmã, claro. Pula na cama da irmã, garante que ela acorde bem acordadinha, aí você decide se brincam, se cantam alto, se pulam descontroladamente em cima da cama ou se brigam, gerando choros, mordidas, tapas e puxões de cabelo. Em qualquer uma das alternativas, você obriga sua mãe a sair da cama dela e colocar ordem no ambiente, e faz com que a família toda inicie o dia nesse horário cruel, porque ninguém volta a dormir depois de tanta agitação. Podem me achar malvada, sem paciência, mas não dá para viver assim não.

Eles tiveram que ganhar quartos separados, para garantir a sanidade mental da mamãe. Toda minha teoria sobre deixá-los dividindo quarto até uns 10 anos foi por água abaixo quando eu percebi que estava pirando com tanta bagunça na minha vida. Numguentei, levantei a bandeira branca, desisti, e mudei a cama do meu filho para o quarto do lado.

Nos primeiros dias, minha filha achou que o irmão não merecia o privilégio de ganhar um quarto novo por ser tão bagunceiro e resolveu bater fortemente a cabeça na cama antes de dormir, numa tentativa desesperada de ganhar um quarto novo também. Ah, filha, desculpa, mas só temos esses três quartos aí e não posso te dar um quarto novo. O único motivo para eu ter mudado meu filho e não a minha filha é que não temos armário no novo quarto dele. Eu queria evitar de deixá-lo sozinho em um quarto com armário, porque sei que mais cedo ou mais tarde ele iria resolver tirar todas as roupas das gavetas e jogar no chão, na falta de uma irmã para atormentar. Eu sei que ele é capaz disso. Eu já o vi fazer isso em um dia que – não lembro por que – a irmã não estava com ele no quarto quando acordou. Acho que ela me entendeu e parou de bater a cabeça na cama. Ele continua chacoalhando a cama antes de dormir, mas pelo menos não incomoda mais a irmã.

A coisa linda mesmo aconteceu na parte da manhã. Quando ele acorda e se vê sozinho no quarto, ele resolve simplesmente VOLTAR A DORMIR. Sério. Nenhum drama, nenhum choro, nenhuma reclamação. Ele simplesmente dorme melhor. Desde o primeiro dia que meu filho foi dormir sozinho no quarto, ele dorme até eu acordá-lo para ir para a escola. No primeiro final de semana após a mudança de quartos, nós dormimos até às 9h no sábado E no domingo. Juro. Desde que eles chegaram em casa eu não dormia tanto assim em dois dias no mesmo final de semana. Lembro de ter acordado às 7h e pensado “oba, posso dormir mais”. Depois às 8h: “uau, que silêncio gostoso”. Depois às 9h me veio um “gente, não aguento mais ficar deitada, mas é bom demais para ser verdade e não quero estragar”. Adorei.

Etiquetado , , , ,

Amor incondicional

Nós não vamos ficar escrevendo o quanto amamos nossos bebês, o quanto eles são importantes para nós, nem nenhum clichê do gênero. Nesse post queremos dizer para todas as pessoas que nos parabenizam por termos coragem de adotar nossos filhos porque elas não conseguiriam fazer o mesmo e para as pessoas que nos perguntaram como é ter um filho tão diferente de nós (se referindo ao fato de nosso filho ser mulato) que elas não sabem o que é amor incondicional. Essas pessoas amam seus filhos com a condição de que sejam filhos biológicos e que sejam fisicamente parecidos com elas. Essas pessoas provavelmente valorizam mais os “laços de sangue” que os laços de amor e carinho.

Nos últimos dias começamos a pesquisar escolinhas para nossos filhos. Liguei para várias delas para pedir informações e para todas disse que tenho gêmeos de 1 ano e 5 meses. Todas as pessoas que me atenderam – sem exceção – fizeram comentários super positivos para os gêmeos, como “que legal!”, “que lindo!” ou “que sorte!”. Nós também achamos que ter gêmeos é muito legal, muito lindo e muita sorte. O engraçado é que ter gêmeos é legal, mas ter gêmeos adotivos é coragem (como contamos nesse outro post).

O que nos incomoda não é que nem todas as pessoas queiram adotar um filho. Nós não achamos que todas as pessoas deveriam adotar. No Cadastro Nacional de Adoção (CNA) há mais de 25 mil pretendentes e cerca de 5 mil crianças disponíveis para adoção, ou seja, não há exatamente necessidade de aumentar o número de papais que querem adotar. Também concordamos que ter um filho biológico deve ser incrível, e por isso ainda não desistimos completamente de talvez-quem-sabe-um-dia ter um filho biológico. Incomoda que pessoas, muitas delas sem nenhuma intimidade conosco, façam perguntas e comentários sem pensar no que vamos sentir ou se vão nos ofender.

Para terminar, hoje um conhecido escreveu no Facebook que, ao invés de publicar mensagens divulgando cães e gatos para adoção, as pessoas deveriam lançar mensagens com fotos de crianças carentes com um texto assim: “Fui jogada na lata de lixo, preciso me alimentar, preciso também de carinho e de medicamentos. E, claro, de escola, de cultura. Você não quer me dar um lar? Eu não pedi para nascer…“. Isto ofendeu bastante. Crianças não ficam expostas na vitrine, esperando que alguém tenha dó delas e queiram fazer a caridade e o favor de levá-las para casa. Adotar um filho não é caridade e não é salvar uma criança. Adotar uma criança é amor. Incondicional.

Etiquetado , , , , , , ,

Adoção de irmãos

Algumas pessoas nos perguntam se nossos bebês são gêmeos mesmo. Hoje uma delas foi ainda mais específica: “era mesmo pai e mesma mãe?”. Sim, eles são gêmeos mesmo, da mesma gestação, nascidos no mesmo dia. Porque se não fosse assim, não os chamaríamos de gêmeos, certo? Algumas vezes, a pergunta que vem a seguir é: “vocês tiveram a opção de escolher só um deles?”. E essa opção não existe, não só porque eles são gêmeos, mas porque são irmãos e havia vínculo afetivo entre eles.

Na adoção, a separação de irmãos só é permitida em último caso, quando todas as tentativas de encontrar uma única família adotiva para eles tiverem sido esgotadas. Geralmente isso ocorre com grupos de irmãos muito grandes (quatro, cinco, seis…) ou com crianças mais velhas, pois é mais difícil encontrar pretendentes para esses perfis. Como essas situações são muito delicadas, a forma como as crianças são separadas é feita de acordo com a afinidade que elas têm entre elas, e não como desejam os pretendentes. E as famílias adotivas precisam assumir o compromisso de manter o vínculo entre irmãos, através de telefonemas e visitas, porque, se já é difícil lidar com a dor da perda da família de origem, romper o vínculo já construído com os irmãos seria uma segunda agressão para as crianças.

Antes de adotar, nós achávamos que a adoção de mais de uma criança seria complicado por ser mais difícil fazer aproximação e criar vínculos com crianças que sentem e reagem de forma diferente. Tínhamos medo de gostar menos de um do que do outro, por exemplo. Isso era uma grande bobagem! Cada um de nossos filhos tem a sua personalidade, seus gostos, suas manias e seu jeito de sentir e gostamos dos dois da mesma maneira. Cada vez que pensamos em como seria nossa vida com apenas um deles, percebemos que sem o outro não teria tanta graça!

Etiquetado , , , ,

“Que coragem!”

Nós não imaginávamos que seríamos chamados tantas vezes de “corajosos” porque adotamos dois bebês. Perdemos as contas de quantas vezes ouvimos isso e simplesmente não entendemos, porque não tivemos que “tomar coragem” ou nada parecido e porque ter dois filhos é uma das coisas mais comuns do mundo.

Nossa ideia original eram dois filhos – um adotivo e um biológico – e optamos por uma criança ou gêmeos quando definimos o perfil de nosso filho adotivo porque, como na gravidez biológica, nós queríamos tentar a sorte de ter gêmeos. Sempre torcemos por gêmeos e fomos presenteados com um casalzinho na adoção! E, de uma única vez, ganhamos os dois filhos que queríamos ter.

A mudança na nossa vida e o trabalho que temos com nossos bebês não seriam muito menores se eles fossem um só: com um ou mais filhos teríamos que acordar às 7h inclusive aos finais de semana, ter sempre comida caseira e frutas em casa, lavar roupinhas, trocar fraldas, guardar brinquedos etc. Sim, dá mais trabalho sair de casa sozinha com os dois, mas é mais divertido e sempre engraçado. Da mesma forma, deve dar trabalho ter um filho começando a ir para escola e um filho acordando a cada 3 horas para mamar, ou um filho estudando de manhã e um filho estudando à tarde, ou um filho que está na faculdade e quer o carro emprestado, enquanto os papais precisam levar o outro filho para o colégio.

Nós esperamos que ninguém esteja querendo dizer que somos corajosos porque temos dois filhos adotivos, como se fosse muito diferente ou muito mais difícil que ter dois filhos biológicos. Ser papais de um casal de gêmeos que foram adotados não é mais difícil, mais ousado ou mais corajoso que ser papais de quaisquer outros dois filhos. Temos certeza.

Etiquetado , , ,

Nossos brigadeirinhos chegaram em casa!

No dia 3 de agosto, fomos ao fórum às 14h para o que eu tinha entendido que seria uma “audiência”. Nós tínhamos imaginado uma reunião, onde falaríamos sobre nossas intenções com as crianças e etc., e o fórum decidiria se estávamos mesmo preparados para sermos pais deles. Quando chegamos lá, recebemos o termo de guarda para assinarmos e a autorização de desabrigamento para entregar para o abrigo. Em 10 minutos, simples assim! O estágio que se inicia agora é chamado de “estágio de convivência”, uma guarda provisória. A previsão é recebermos a guarda definitiva em 6 meses.

E fomos buscá-los! Além de nossos filhos, voltamos para casa com todo o histórico médico deles e várias recomendações sobre a rotina deles, o que costumam comer etc. As coisas funcionaram super bem até o final do jantar: eles chegaram, se deram bem com nosso cachorro (que morreu de medo dos dois no início), brincaram, comeram um belo prato de jantar e todo o mamão de sobremesa. Depois disso, foi a hora do banho e a confusão começou: eles choraram, acho que meu filho engoliu água na banheira, não conseguimos escovar dentes, pentear cabelo e eles não quiseram tomar o leite da noite (não sabemos se ainda não estavam com fome ou se fizemos alguma coisa errada). Mas dormiram às 20h como dois anjinhos.

Nós estamos bastante cuidadosos com a chegada deles. Se para nós é um dos dias mais felizes de nossas vidas, para eles é um dia de ruptura e grande mudança. Eles estavam abrigados desde que nasceram e gostavam muito das cuidadoras, da comida, da caminha, da rotina e dos amiguinhos do abrigo. Nós sabemos que para eles tudo aqui em casa será diferente e, talvez, um pouco assustador. Então queremos deixá-los seguros e calmos nesses primeiros dias.

Não tem nada melhor do que saber que os filhos dormem no quarto do lado! Temos uma única preocupação nesse momento: meu marido não se lembra de ter colocado o pipi do meu filho para baixo na fralda, e talvez a gente acorde com uma grande meleca na caminha! ❤

Etiquetado , , , , ,

Gêmeos!

Nós estamos muito felizes e com a impressão de termos sido presenteados! Seremos papais de duas crianças, um menino e uma menina. Um casal de gêmeos!

Será amor e felicidade em dobro. Mas também estamos passando por alguns momentos de pequeno pânico: tudo o que sabíamos que teríamos que comprar e que custaria caro, agora vamos multiplicar por dois: dois berços, dois carrinhos, duas cadeirinhas de carro, dois cadeirões. E, se eu já estava com medo de ficar sozinha com um bebê e não fazer nada direito durante a licença maternidade, agora estou duas vezes com medo. Também concordamos em adiar por tempo indefinido os planos de uma gravidez biológica.

Por outro lado, tem as coisas lindas que nos fazem rir à toa: vamos comprar roupinhas e sapatinhos de menino e de menina. Faremos um quartinho bem colorido para o casal. Brincaremos de casinha e de boneca e jogaremos futebol.

Venham logo, bebês!

Etiquetado , ,

Ligação

Foi numa sexta-feira 13, depois das 15h, quando meu ramal do trabalho tocou. O telefone tem identificador de chamadas e eu reconheci os primeiros 4 números do telefone do fórum. Mas como sabíamos que seríamos chamados para um curso preparatório nos próximos dias, achei que fosse esse o motivo do contato.

– Vocês estão inscritos aqui na Vara da Infância para adoção, correto?

– Sim.

– E vocês ainda não adotaram?

– Não.

– Queria saber se vocês têm interesse em conhecer um casal de gêmeos.

Turbilhão. Tenho certeza que fiquei muito branca. Meu coração disparou, e eu repeti umas 3 vezes para mim mesma: “sim, isto está acontecendo!”.

Eu estava em uma sala com mais três consultores e não dava para falar. Pedi o número dela para ligar em 2 minutos de um outro lugar. Quando retornei, ela me perguntou novamente se estávamos interessados em conhecer o processo de um casal de gêmeos de 1 ano e 3 meses. Respondi que sim, lógico, e ela falou que me ligaria em alguns minutos para agendar dia e horário com a equipe técnica. É meio óbvio dizer isso, mas foi uma das maiores emoções da minha vida e eu comecei a chorar. Liguei para meu marido e ele demorou para atender. Quando atendeu, eu mal conseguia falar. Ficou todo emocionado do outro lado da linha.

Nós nos encontramos em casa só depois das 21h. E conversamos muito. Além de estarmos muito felizes, tínhamos o gostinho de estarmos nos preparando mesmo para ser mamãe e papai: ficamos pensando na decoração do quartinho, nos padrinhos e madrinhas, no chá de bebê, nas coisinhas de enxoval que teremos que comprar. Ficamos também pensando que tudo será em dobro, o trabalho e o amor.

Iremos no fórum na próxima quinta-feira, dia 19 de julho, pouco mais de um mês depois de recebermos nossa habilitação para adoção. Nesse dia, junto com a psicóloga – a mesma que cuidou do nosso processo – vamos conhecer todo o processo pelo qual as crianças passaram até a destituição do poder familiar. Não sei se vamos visitar os bebês no mesmo dia, esperamos que sim! ❤

Etiquetado , , , , , ,