Arquivo da tag: doenças

Na saúde e na doença

Vou dividir nosso Carnaval 2014 em dois momentos bem distintos: o sucesso e a tragédia. Para contextualizar: Carnaval é o maior recesso da escolinha dos bebês depois das férias de final de ano, quando eles ficam QUATRO DIAS E MEIO sem aulas. Quatro. Dias. E. Meio.

A primeira metade do nosso feriado foi um Sucesso. S maiúsculo. Nós fomos brincar, fomos no parque, fizemos trilha, fomos ao teatro, almoçamos fora, fomos a uma exposição de arte (porque mamãe também tem suas vontades), foi tudo muito legal. Muito divertido. Crianças felizes, mamãe feliz, dias de sol, nenhuma birra, quase nenhum choro, tudo indo muito bem para ser verdade.

Aí o tempo fechou, literalmente. Choveu. Ficou mais frio. Minha filha acordou com uma febrinha, depois meu filho teve febre no almoço, depois eu fui pega pela gripe no começo da tarde e no final da tarde nós éramos três incubadores de vírus, que tossiam, espirravam, soltavam catarros pelo nariz e tinham febre. Montes de dores de garganta, dores pelo corpo, mau humor, vontade de não fazer nada, crianças chorando por causa de qualquer coisa, mãe com vontade de chorar junto. Gente, que pesadelo.

Cuidar de uma criança doente é difícil. Cuidar de duas crianças doentes ao mesmo tempo é mais difícil ainda. Cuidar de crianças – doentes ou não – quando se está doente é insuportável. Sabe quando você acorda mal, com dores, sem forças, e liga pro chefe avisando que não vai dar para trabalhar? Foi o que eu tive vontade de fazer naquele dia. Passei horas me perguntando para quem eu tinha que ligar para avisar que não ia poder ser mãe naquele dia. Fiquei horas encarando o celular, esperando a ligação de alguma alma caridosa com uma voz animada do outro lado da linha: “alô, Ruri? Quer que eu fique com as crianças hoje para você poder tomar chá de gengibre à vontade espalhada na cama?”. Fiquei mentalizando um ser qualquer entrando pela porta da sala trazendo uma panela de sopa quente para nós três. Fiquei olhando para meus filhos esperando que eles me dissessem: “mamãe, é pegadinha. Nós não estamos doentes. Fica aí deitada no sofá descansando que a gente promete que vai ficar brincando em silêncio até o fim do dia”. Mas nada disso aconteceu, né? E lá fomos nós para a parte Tragédia do nosso feriado. Tragédia inclui inaladores, termômetros, analgésicos, antitérmicos, ligações para a pediatra no feriado e muita indisposição.

Ser mãe é isso aí, gente: um compromisso válido na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, por todos os dias de nossas vidas. E não pode pedir para sair. Não aguenta? Toma um leite, joga própolis na garganta e continua.

Já é quinta-feira à noite, já voltamos para a escola e para o trabalho, mas ainda não estamos 100%. Alguém indica uma benzedeira?

Anúncios
Etiquetado , , , , , ,

Direito de ser avulsa

Recebi um e-mail super carinhoso de uma leitora que, entre outras coisas, disse que admirava a forma como eu mantenho meus interesses pessoais mesmo depois de virar mamãe. Obrigada, querida, de todo meu coração, por essas palavras. Fiquei feliz por saber que no mundo não existem somente as pessoas que criticam as mamães que não dedicam absolutamente todo o tempo delas para seus filhos, chamando-as de péssimas mamães.

Deixa explicar melhor: eu ouvi críticas porque fui a um casamento (em junho) e a um aniversário (em setembro) sem meus filhos. Absurdo, né? Que raio de mãe fica longe de seus bebês para estar ao lado do melhor amigo do dia do casamento dele? E ainda toma um copo de bebida alcoólica, vai dormir de madrugada e acorda tarde no dia seguinte? Que horror, gente! Se revolveu ter filhos, deveria saber que sua vida estaria dedicada a exercer o papel de mãe, exclusivamente mãe, e é obrigatório abrir mão de toda e qualquer coisa que não incluam bebês e crianças. Como assim uma mãe vai a uma festa de aniversário? Não pode, não. Tem que explicar ao aniversariante que ela é mãe, que tem filhos, e que sábado à noite é dia de ficar em casa com os filhos, até que eles entrem na adolescência e comecem a ir para as próprias baladas. Como assim os bebês foram dormir na casa do vovô? Que mãe desnaturada tem coragem de deixar os filhos dormirem na casa de seu próprio pai e de sua madrasta, ao lado de sua irmã mais nova? Bebês precisam dormir na casa da mamãe e do papai durante os primeiros 15 anos de vida, porque só assim serão felizes e realizados. É óbvio, pô. É só explicar para todos os amigos que mãe não é mais um ser avulso, individual. Mãe é um ser grudado em seus filhos. Ou a mãe leva os filhos para cima e para baixo ou fica em casa com eles. Juntos, bem perto, o tempo todo. Sim, ouvi esse tipo de coisa. Não importa se no mesmo período nós fomos ao zoológico, ao circo, ao parque, à praia, a um hotel fazenda, se fomos jantar ou almoçar na casa das minhas avós e de amigos, se fizemos pão juntos em casa, se trabalhei de casa quando minha filha ficou dodói, se estávamos juntos todos os dias no café da manhã, no caminho para a escola e antes de dormir, se levantei da minha cama todas as madrugadas para checar se as fraldas estavam muito molhadas, nada disso importa. Importa a minha falta de sensibilidade por ter ido a um casamento e a uma festa de aniversário sem meus filhos.

Gente, vamos lá. Manter os interesses pessoais não é fácil, não. O(s) bebê(s) chega(m) e a gente mergulha em uma infinidade de assuntos nunca-jamais-antes-vistos, dos mais complexos (como eu explico para meu filho que não vou fazer uma chuquinha nele sem ser sexista?) aos mais bobos (qual a melhor marca de lenços umedecidos?). Bebês e crianças ocupam facilmente todo o tempo que passam com os papais: querem brincar, precisam de atenção, querem falar, fazem bagunça, precisam se alimentar, se trocar, precisam de cuidados. Fazem coisas que nos deixam felizes, coisas que nos deixam bravos, fazem coisas fofas que nos fazem sair contando para todo mundo. Quando não estamos com nossos filhos, porque estão dormindo ou estão na escola, passamos boa parte do nosso tempo pensando neles: nas consultas médicas que precisamos agendar (lembrete: marcar dentista para os bebês), nos materiais que a escola nos pediu para enviar, no que vamos fazer no final de semana com eles, nas roupas que ficaram pequenas e que precisam ser substituídas. É um passo muito pequeno para nos tornamos mamãe 24 x 7 e esquecer de todo o resto.

Mas o fato é que eu gosto de muitas coisas de adulto. Cometo esse pecado e não tenho vergonha de assumir. Gosto de ler e conversar sobre assuntos que não vou conseguir dividir com meus filhos durante os próximos dez anos: a polêmica dos beagles, a espionagem do Obama, a Dilma cancelando viagem para os isteites, os drones, os desfiles do SPFW, os médicos cubanos, o despreparo da polícia, os animais em extinção, a capa da Economist, o dono da empresa de macarrão que disse que os homossexuais devem consumir outras marcas, os hormônios do frango. Com meus filhos, tudo o que eu conseguiria como resposta seria um “eu quero comer macarrão (não importa a marca)” e um “cachorrinhos e golfinhos são fofos”. Eu gosto de ir ao cinema para ver filme de adulto. Gosto de teatro, de museu, de exposições de arte, de música ao vivo, de comer em restaurante sem estar cercada por feijões jogados no chão e talheres batendo nos pratos espirrando molho de macarrão. Gosto de ir na academia (na verdade, nem tanto assim, mas me obrigo a ir). Gosto de correr no parque, de andar de bicicleta, de ler em silêncio e sem interrupções, de tomar cerveja, de fazer uma comida apimentada, de tomar banho com calma, de ficar sozinha.

É claro que tenho menos tempo para as coisas que eu gosto depois que virei mamãe, porque é claro que ficar com meus filhos é maior prazer que tenho na minha vida. É claro também que eu não sou uma pessoa amargurada porque só fui ao cinema três vezes esse ano. Mas, sim, eu faço algumas coisas sem os dois. Acho saudável. Tenho CERTEZAMAISQUEABSOLUTA que não falta muito amor, muito carinho, muita dedicação para eles e que posso me dar esse luxo absurdo, inimaginável, imperdoável e cruel de ter uma parte do tempo para mim. Acho também que cada mamãe cria seus filhos como quiser, como bem entender, que não tem certo, não tem errado, não tem julgamento, e a única exigência é que exista amor. De resto, gente linda, deixa conosco, que as mamães sabem o que fazem, eu juro.

Etiquetado , , , , , , , , ,

Essa tal de genética

Fui almoçar esses dias com um colega de trabalho que está planejando adotar. Fomos conversar sobre as dúvidas e preocupações que ele tem – sei bem que aparecem uma porção delas nessa fase. E uma das coisas sobre a qual falamos foi influência genética.

Genética pode influenciar duas coisas: o desenvolvimento físico e o comportamento. Chamei de “desenvolvimento físico” aquelas coisas que aprendemos na escola: o bebê recebe metade da carga genética do papai e a outra metade da mamãe e desenvolve características físicas semelhantes aos dois. Ter filhos parecidos fisicamente comigo e com meu marido nunca foi uma prioridade, senão não teríamos escolhido a adoção. Tenho super orgulho dos cachinhos lindos dos meus bebês e da pele mulata do meu filho e nunca fiquei pensando no que as pessoas pensam quando olham para nossa família. Simplesmente não importa. Eu não os amaria mais se eles tivessem olhinhos puxados.

Predisposição para algumas doenças é outro assunto que nunca nos preocupou. Deve haver casos de doenças graves na família biológica deles, assim como houve em nossas duas famílias também. Eu prefiro pensar que, se quisesse garantir nenhuma chance de doenças nos meus filhos, era melhor não ser mamãe. Uma vez alguém me perguntou, antes de adotar, o que eu ia fazer se meu filho precisasse de um transplante de medula óssea e não tivesse doadores compatíveis na família. Ai, gente, cada hipótese macabra, né? Estar perto da família biológica não garante doadores compatíveis também. Por que alguém fica pensando nessas coisas?

E, por fim, a gente sabe que genética influencia comportamento também. Eu até cheguei a ir no Google e digitar “influência genética no comportamento”. Encontrei milhões de estudos que pareciam ser bem confiáveis para colocar um pouco de teoria nesse post, mas desisti de estudar esse assunto. Sabe por quê? Porque também não importa. Comportamento é moldado por um milhão de fatores, e genética pode ser um deles. Mas tem também a história de vida, a relação com a família, a relação com os amigos, a personalidade, os acontecimentos da vida e por aí vai. Eu nunca conseguiria isolar o que é genético no comportamento dos meus filhos e também não sei o que faria com essa informação.

Sim, já ouvi perguntas esdrúxulas sobre esse assunto, como “e se o genitor for um criminoso e passar essa carga genética para seus filhos?”. Sempre fico um pouco brava com essas perguntas, porque parece que as pessoas acham que filho adotivo vai necessariamente dar problema e que filho biológico vem com certificado de garantia. Aí, gente, desculpa se for muito chocante, mas fiquei com vontade de contar a história mais bizarra que já vi acontecer perto da minha família.

Meus pais estudaram engenharia juntos e tinham um grande amigo super inteligente, que se casou com uma moça que estudava medicina, e tiveram dois filhos fofos. Era uma família linda. Temos fotos juntos cantando parabéns nas minhas festinhas de aniversário e brincando na piscina do sítio em domingos de sol. Um belo dia, a filha mais velha, já na faculdade, chamou o namorado e o irmão do namorado para assassinarem os pais a pauladas enquanto os dois dormiam tranquilamente em casa. Garanto que todo mundo conhece essa história. História de uma filha biológica.

Etiquetado , , , ,

Querida escolinha

Nossos filhos começaram a ir para a escolinha nos primeiros dias de janeiro, para fazermos a adaptação com calma. No primeiro dia, fiquei com eles na sala de aula durante uma hora e pouco, acompanhei o almoço e voltamos para casa. No segundo dia, eles ficaram o mesmo tempo na escola, mas sozinhos. E depois fui aumentando uma hora por dia, até que eles começaram a passar o dia inteiro por lá.

Eles entram às 8h30 mais ou menos, quando saímos para trabalhar, e ficam até às 19h. Fazem quatro refeições por lá (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar) e em casa só tomam leite e comem fruta, tanto de manhã quanto à noite. De manhã ficam na recreação e à tarde participam das atividades pedagógicas. Tiram um soninho de uma hora e pouco depois do almoço todos os dias e fazem aulas de música uma vez por semana.

Acostumar a ficar na escolinha foi muito fácil; eles brincam o dia todo e nunca choraram na escola ou fizeram birra (isso, aparentemente, é um privilégio só da mamãe e do papai). O mais difícil foi acostumar a ficar longe de casa. Nos primeiros dias, chegavam em casa e pareciam querer recuperar o tempo perdido: corriam, davam gritinhos de alegria, tiravam todos os brinquedos do lugar, agarravam o Fidel e não queriam dormir de jeito nenhum, apesar do cansaço. Acostumar com o cansaço também foi difícil; como na escolinha eles gastam mais energia e dormem menos à tarde, eles ficaram bem mais irritados e chorões quando chegavam em casa (na verdade, estão assim até hoje). Nos primeiros dias, eles choraram um pouco quando os deixávamos na escola. Ultimamente eles saem correndo e nem falam mais “tchau”.

A única parte chata foram as tais doenças que as crianças pegam quando entram na escola. Nós chegamos a achar que eles não passariam por isso, pois conviveram intensamente com outras crianças no abrigo até virem morar conosco, mas nos enganamos. Os dois ficaram gripados, tiveram febrinhas, tosse, dorzinha de barriga e tal. A professora não me animou muito, pois me disse que os primeiros SEIS MESES serão assim.

Mas estamos adorando a escola. Todos os dias precisamos levá-los até a sala de aula de manhã e precisamos entrar na escola para buscá-los, e é legal saber que as portas da escola estão sempre abertas para os papais. Todos os dias nos comunicamos com as tias pela agenda ou pessoalmente e sabemos que elas seguem todas as nossas recomendações com os cuidados e alimentação dos dois. Todos os dias os encontramos no final do dia com sorrisos lindos e imensos no rosto, de bebês que se divertiram. E isso nos deixa seguros para ficar longe deles todos os dias.

primeiro dia de aula

Etiquetado , , ,

Doenças tratáveis e não tratáveis

Na época que estávamos conversando sobre o perfil do nosso filho, pesquisamos muito sobre o que seriam doenças não tratáveis, doenças tratáveis leves e doenças tratáveis graves. Queríamos uma lista de doenças e a sua classificação. Ou queríamos encontrar depoimentos de adotantes que têm filhos com doenças tratáveis graves, por exemplo, para entender o que era uma doença desse tipo. Nós passamos por uma fase que é comum durante o processo, que é querer saber se estávamos preparados e se tínhamos estrutura para cuidar de uma criança doente. Não achamos as respostas. Sem dados e fatos, nós simplesmente decidimos dizer “sim”. Decidimos que nosso filho não seria escolhido por seus possíveis problemas de saúde.

Além de não haver clareza nesses critérios, também é bom saber que as crianças disponíveis para adoção não passam por um check-up médico completo para que toda e qualquer doença que tenham seja diagnosticada. Isso significa que um pretendente pode escolher não adotar uma criança com problema de saúde tratável grave e se deparar com uma doença grave logo depois. Claro que o fórum irá passar para os papais adotantes todas as informações disponíveis sobre a saúde da criança. Mas após a adoção, vale o sentimento incondicional: a saúde do filho não é condição para que ele seja mais ou menos querido pela família.

Nossos filhos são super saudáveis. São crianças lindas e curiosas, que comem bem, dormem bem, olham nos olhos, se comunicam, brincam muito, imitam, aprendem, dão risadas e gargalhadas, fazem birra, ficam bravos, ficam felizes e sabem amar. E cada um deles tem alguns probleminhas de saúde. Desde que chegaram, passamos por duas cirurgias no crânio, uma pneumonia grave (tratada com remédios, inalações e 20 sessões de fisioterapia respiratória), algumas febrinhas, resfriados, uma virose e sessões de fonoaudiologia para estimular a deglutição de saliva (e evitar que o bebê fique babando o dia todo).

Quando eles ficam doentes, ficamos preocupados e tentamos fazer o melhor, porque queremos que eles fiquem sempre bem. Dá trabalho levar ao médico, acompanhar sessões de terapia, medicar, fazer inalação, dormir no hospital, trocar curativo etc., mas são coisas que mamãe e papai fazem com muito carinho. Problemas de saúde são “detalhes”. Na maior parte do tempo, estamos mais preocupados em escolher as brincadeiras e passeios mais legais para fazer com eles, adaptar a casa para que eles possam circular em segurança, organizar os brinquedos e as coisinhas deles, preparar refeições gostosas e saudáveis, escolher a melhor escolinha. Se tivéssemos colocado restrições com relação à saúde da criança, hoje não seríamos papais super felizes pensando em como deixar nossos filhos mais felizes.

Etiquetado , ,

Onde encontramos os nossos filhos

Nossos brigadeirinhos chegaram através do fórum onde fizemos nosso processo de habilitação para adoção. Nós nunca visitamos nenhum abrigo para procurar nossos filhos por um motivo bem sério: as crianças abrigadas não são produtos expostos em vitrines e ninguém deve ir aos abrigos para “escolher” a mais bonitinha, mais engraçadinha, mais educadinha ou sei-lá-o-que. Um segundo motivo seria que nem todas as crianças abrigadas estão disponíveis para adoção: muitas ainda têm algum vínculo com a família biológica ou ainda estão aguardando o processo de destituição de poder familiar se encerrar.

Nós acompanhamos alguns grupos de discussões virtuais, onde eventualmente as pessoas divulgam crianças disponíveis para adoção. O GAARJ (Grupo de Apoio à Adoção do Rio de Janeiro) tem um fórum aqui e acompanhamos como “ouvintes” uma comunidade no Orkut chamada GVAA – Adoção, um exemplo de amor (como “ouvintes”, porque um dos requisitos para ser membro é ter perfil no Orkut com muitos amigos e outras comunidades – muito difícil!). Conheci uma amiga que adotou através dessas divulgações. Geralmente são crianças que não encontraram pretendentes na própria comarca e isso provavelmente aconteceu porque estão fora dos perfis mais desejados, ou seja, não são bebês, têm irmãos ou problemas graves de saúde.

O processo de destituição de poder familiar de nossos bebês foi conduzido pelo mesmo fórum onde fomos habilitados. Quando estavam destituídos e o fórum começou a procurar uma família substituta para os dois, fomos chamados. Então achamos justo dizer que foram nossos filhos que nos encontraram!

Etiquetado , , , , , , , ,

Perfil

Definir o perfil do filho que estamos esperando foi uma das etapas mais difíceis até agora. Primeiro porque é uma decisão que precisa ser tomada em conjunto e cada um de nós tem suas vontades e seus limites. E, em segundo lugar, nós não imaginávamos que teríamos que pensar sobre determinados assuntos e critérios que são detalhados no cadastro do fórum.

Os itens que formam o perfil variam de fórum para fórum. No nosso fórum, junto com a assistente social definimos a primeira parte do perfil: sexo, cor (branca, preta, parda, amarela, indígena ou indiferente), faixa etária e se aceitávamos irmãos (gêmeos ou não). No caso de irmãos que não sejam gêmeos, é preciso definir o perfil do(s) irmão(s) também.

Queremos uma criança ou gêmeos. Nós não temos preferência por menino ou menina – seremos felizes sendo papais de meninos, meninas ou casal. Também achamos que não faz o menor sentido restringir cor de pele. Foi um pouco mais difícil definir a faixa etária. A princípio, sabíamos que queríamos uma criança pequena, mas não fazíamos questão de bebezinho. Mas é preciso definir o limite inferior e superior da faixa etária com anos e meses. Se o adotante define limite superior 2 anos e zero meses, ele não será consultado para crianças com 2 anos e 2 meses, por exemplo. E é muito difícil dizer que queremos uma criança com determinada idade e não uma criança apenas alguns meses mais velha. Fomos e voltamos nessa discussão até definirmos que nosso filho chegará com idade entre zero meses e 3 anos e zero meses.

Além disso, junto com a psicóloga tivemos que responder se aceitávamos:

– Problemas físicos não tratáveis

– Problemas físicos tratáveis graves

– Problemas físicos tratáveis leves

– Problemas mentais não tratáveis

– Problemas mentais tratáveis graves

– Problemas mentais tratáveis leves

– Problemas psicológicos graves

– Problemas psicológicos leves

– Pais soropositivos para o HIV

– Pais alcoolistas

– Pais drogaditos

– Sorologia negativada para o HIV

– Soropositivo para o HIV

– Proveniente de estupro

– Proveniente de incesto

– Vítima de atentado violento ao pudor

– Vítima de estupro

– Vitimizada (maus tratos)

Nós recebemos uma cópia da ficha no dia em que entregamos a documentação e achamos difícil de entender o que todos esses itens significavam. Não há uma lista exaustiva que nos indicasse quais doenças são classificadas como graves ou leves, por exemplo. Então, aproveitamos o tempo que tivemos até as entrevistas para pesquisar: procuramos sites e fóruns de discussão sobre adoção na internet e conversamos muito com as pessoas dos grupos de apoio.

Uma das coisas que aprendemos é o que significa “sorologia negativada para o HIV”. Crianças geradas por mães soropositivas nascem com os anticorpos da mãe e a sorologia para o HIV dessas crianças será positiva por cerca de 18 meses. Após esse período, a criança não terá mais anticorpos da mãe e, se não tiver sido contaminada, os exames passarão a ser negativos. Ou seja, “sorologia negativada para o HIV” significa que a criança tem mãe soropositiva mas nunca foi contaminada.

Eu e meu marido decidimos que não faria sentido fazer restrições aos pais biológicos do nosso filho e dissemos “sim” para todos os itens relativos a eles ou sobre a forma como a gestação aconteceu. E para os demais, foram horas e horas de conversas e achamos que o melhor é sermos honestos com nossos limites. No cadastro final, dissemos “não” para 6 dos 18 itens.

Segundo levantamento do Conselho Nacional de Justiça feito em maio de 2012, 91% dos pretendentes aceitam adotar crianças brancas, 62% aceitam crianças pardas e apenas 35% aceitam negras. 33% deles querem apenas meninas – há uma falsa impressão que meninas são mais boazinhas e se adaptarão mais facilmente. E, como nós, a maioria quer adotar apenas uma criança (82%) com até 3 anos de idade (76%).

Etiquetado , , , , , , ,