Arquivo da tag: adolescência

Fica na sua, mãe

– Mamãe, você tem muito dinheiro ou pouco dinheiro?

Cada pergunta, viu?

– Por quê, Ruth? O que você quer saber? – eu achei que ela ia pedir um presente ou algo assim, mas ela também não soube explicar.

– Eu quero saber se você tem muito dinheiro ou pouco dinheiro.

Ela tem quatro anos e qualquer resposta ia me encrencar. Aí eu resolvi dizer que:

– Ruth, dinheiro é um assunto particular dos adultos e você é muito pequena, então não vou falar sobre dinheiro com você, tudo bem?

– Tudo bem. Boneca é assunto particular de criança e eu nunca mais vou falar sobre minhas bonecas com você, tudo bem?

Eu sei, eu tô f$#*$&#*&$#* quando essa doida chegar na adolescência.

Anúncios
Etiquetado

Sai fora, adolescência!

Até outro dia, eu tinha que ficar conversando sobre mordidas nos amiguinhos da escola. Eles mordiam e eram mordidos e aí rolavam aquelas conversas com a escola, com eles, com as mães. Sabem como é. Ainda bem que passou.

Aí hoje me vi conversando com uma outra mamãe sobre “vamos orientar nossos filhos a não dar beijo na boca. só no rosto. tá muito cedo ainda”.

Mano, mas pula assim de mordidas aos beijos na boca em menos de um ano? Que coisa é essa? Não tinha nenhuma etapa intermediária?

Não, não foi o Isaac. A Ruth também tem um namorado. E a Ruth sempre me arruma uma encrenca maior. Isaac vai de mãos dadas na perua, Ruth dá um beijo no namorado na porta da escola.

Quem estiver disponível, passa aqui em casa para me dar um abraço.

Etiquetado , ,

Adolescência precoce

Quase todo dia é mais ou menos assim: na hora de entrar na escolinha, eles choram, pedem beijos, abraços, mais beijos, mais abraços, dizem que querem ficar mais com a mamãe, que não querem ficar lá e por aí vai. Aí a mamãe sai da escola se sentindo a pior criatura desse mundo. No final do dia, a mamãe chega feliz e contente na escola para buscá-los, achando que é hora de matar as saudades de um dia inteiro separados, mas aí eu sou chata. Eu interrompo a brincadeira ou a contação de histórias e eles sempre precisam brincar só mais um pouquinho antes de entrar no carro. Aí não querem beijo nem abraço e precisam desesperadamente escorregar mais uma vez no escorregador e correr pro fundo da escola para fazer mais alguma coisa importante.

Dureza.

Nesse dia, não foi diferente. Mas assim que liguei o carro, minha filha me falou bem séria:

– Não quero mamãe. Não gosto da mamãe. Você não é minha amiga. Não quero ir pra casa da mamãe. Quando chegar lá, não vou sair do carro.

Dois anos e dez meses. Há pouco tempo, eu tinha tido uma conversa com uma amiga que tem um filho de dez anos, que costuma gritar para ela um sonoro: “você arruinou a minha vida”. Falamos sobre adolescentes e eu fiquei feliz por ter ainda uns bons anos pela frente sem esse tipo de problema. Mas não. Onde foi que eu errei?

Eu respondi para minha filha que a amava muito, que sempre seria amiga dela, mas que achava tudo bem ela ficar dentro do carro se quisesse. Avisei que eu tinha que subir para o apartamento com o irmão dela e que poderia voltar mais tarde para buscá-la. Ela resolveu vir conosco. Com cara de brava, emburrada, como se sair da escola e voltar para casa fosse o maior absurdo de todos os tempos.

Um pouco mais tarde, quando eles já estavam de pijamas, eu perguntei se queriam ler um livro comigo. Meu filho disse que sim e minha filha disse que não. Que queria ir para o quarto dela. E foi. Fechou a porta e ficou lá dentro sozinha. Dois anos e dez meses e ela já precisa de espaço e privacidade.

Durou uns dois minutos. Até que voltou de mansinho para onde estávamos, me abraçou, disse que gostava de mim e que queria ouvir a história. Ficou abraçada comigo e depois foi dormir tranquilamente, toda carinhosa.

Cada uma. Não quero nem imaginar o que vai acontecer na adolescência de verdade.

Etiquetado , , , , ,

Sobre baladas e bebês

Hoje passei por dois assuntos polêmicos na minha taimeláine da rede social. Esse primeiro deve ter sido visto por quase todo mundo: um rapazinho com quase seus 40 anos gastando fortunas na náiti paulistana, dando dicas de como se dar bem com as garotas. A reportagem e os posts que li vieram acompanhados de comentários de pessoas irritadas, inconformadas, desconsoladas, que chamavam o moço de “otário”, “fútil”, “babaca”, “exibido” e por aí vai. Ah, minha gente, pliz. O moço ganha seu dinheiro honestamente (espero) e gasta como quiser. Faz isso porque tem plateia. Tá lá cheio de amigos, amigas, desconhecidos e desconhecidas aplaudindo as garrafas com foguinhos. Se ninguém desse bola, ele estaria com foco em outra coisa para chamar a atenção. Deixa ele? Ele podia estar matando, roubando, colocando funk bem alto no carro no posto de gasolina, dançando axé no calçadão, mas pelo menos ele está trancadinho na balada gastando seu dinheiro como bem entende. E o segurança dirige o carrão na volta pra casa. Tá tudo certo, pô.

Outra coisa que li foi sobre um tal de aplicativo para encontrar pessoas. Nada que nunca tenha existido antes em forma de sites ou agências de relacionamento. Você cadastra seu perfil lá e espera alguém te curtir, para começar um papo virtual, que depois migra para mensagens no whatsapp, depois por voz, depois marca encontro, e a gente sabe o que acontece daí para frente. Sério, gente, é só ganho de escala. As pessoas estão desfilando por aí nas baladas atrás de pares há anos e anos. Só que na balada, você só consegue conversar com uma pessoa de cada vez. Agora temos uma maravilha em nossas mãos: um aplicativo que nos permite conversar com várias pessoas ao mesmo tempo! E você nem precisa esperar a sexta/ sábado à noite para fazer isso. Dá pra paquerar durante o expediente. Eficiência e ganho de escala. Qual é o problema?

O problema foi chegar em casa e encontrar meus monstrinhos lindos, sorridentes, aprendendo a falar, brincando de panelinha, e desenvolver um terrível pânico. Chama-se “eu tenho medo de adolescência”. É claro que eles não vão ter fortunas para gastar na balada, a não ser que trabalhem muito para isso. Porque eu não tenho dinheiro assim disponível, nem acho que vou ter um dia. E, se tiver, não vou dar um cartão de crédito e pronto, né? Não, não é só isso. Eu não quero que eles sejam os amigos bajuladores que acompanham o mocinho gastão, somente atraídos pelo dinheiro. Nem que sejam as menininhas que dão bola e ficam penduradas no cangote dos moços só porque eles as deixam entrar no camarote. Também não quero ver perfis dos dois em aplicativos que ajudam a encontrar pessoas, porque espero que eles encontrem pessoas que se interessem por mais do que uma foto e uma descrição do tipo “moreno de cabelos cacheados e sorriso encantador, que se interessa por motocas, panelinhas e manga”. Porque sei que eles serão muito mais do que dá para mostrar nas redes sociais e nas baladas e uma mamãe superprotetora só consegue torcer para que eles encontrem pessoas que valorizem isso antes de mais nada.

Tá. Estou dando uma de louca e deveria estar mais preocupada com a excursão ao circo que eles terão na quinta que com essas coisas que só devem começar a aparecer na minha vida daqui uns 12 anos. 12 anos que eu espero que passem bem devagar. 🙂

Etiquetado , , , , ,