Arquivo da tag: carta para os bbs

Carta para minha filha

Querida filha,

Eu sei que você também sofre com todas as birras e descontrole, que não terminaram nos terrible two e já estão quase chegando aos four. Eu sei que é difícil ficar brava com o mundo, berrar até a garganta doer e se jogar no chão e bater a cabeça. Eu sei que eu sou a pessoa adulta nesse relacionamento e que é meu papel ter calma e paciência. Eu sei também que não sou um ser imaculado que tem calma e paciência 100% do tempo.

Mas você está me ensinando a ser paciente e tolerante. Você é a primeira pessoa neste mundo que nunca irá sair da minha vida mesmo que me irrite, que me teste ou que não faça as coisas que quero. Nós vamos ficar juntas e vamos tentar nos entender, para sempre.

Eu sei que você sofre de saudades. Eu sei que é difícil para você sair da escola com a perua e ser recebida em casa pela babá. Eu sei que você queria me ver antes. Sei também que no final do dia estou cansada, porque eu enfrento clientes atuais que precisam de atenção, novos clientes que entregam minhas metas de receita, chefe, equipe e colegas de trabalho que precisam de reuniões, materiais, definições e entregas. Você não tem nada a ver com isso e eu me esforço todos os dias para abstrair tudo isso enquanto estou no metrô para chegar bem humorada em casa.

Eu sei que todos os dias, sem exceção, você faz alguma bagunça feia na escola ou com a babá. O que você não sabe é que eu pedi para a escola e para a babá tentarem não me contar todas essas coisas em detalhes e hoje elas resumem, contam menos vezes, filtram um pouco mais. Fiz isso porque eu não quero chegar em casa todos os dias e ter conversas sérias e pesadas com você. Quero chegar em casa e te abraçar, ouvir suas histórias, contar sobre o meu dia. Quero te dar banho, brincar e te colocar para dormir. Quero te deixar feliz, quero te mostrar que não vou ficar brava e te dar broncas todos os dias.

Outra coisa que você não sabe é que eu entro no seu quarto todos os dias depois que você dorme para te cobrir e te abraçar. Você dorme pesado e nunca acorda. Você também não sabe que eu queria não ter perua e babá e te buscar na escola todos os dias, junto com seu irmão. Que eu questiono esse “esquema” todos os dias, mas que não sei qual outra alternativa funcionaria bem pra gente. Eu sei que você gosta de dormir cedo, porque isso te faz bem, então sei que não adianta chegar tarde e te deixar dormir uma hora mais tarde, porque você vai estar cansada demais para curtir esse tempo com a mamãe. Eu só não sei o que tenho que fazer para chegar em casa mais cedo todos os dias, sem que isso afete nossa renda e o meu equilíbrio.

Eu quero te ver feliz. Quero ver você tranquila, quero que se sinta linda, que seja querida pelo outros e que pare de roer suas unhas. Por favor, me ajuda a entender o que tenho que fazer para você parar de roer unha. Quero curtir você. Quero ficar mais tempo com você, sem essa de “tempo de qualidade”. Quero mais tempo mesmo. Queria levar você para trabalhar comigo amanhã.

Eu te amo muito, pequenina. Dorme bem, tá?

um beijo e um quentinho

Mamãe Ruri

Etiquetado , , , , , ,

Não vai ter copa

Queridos filhos,

Na nossa casa não vai ter copa. Eu sei que vocês têm feito uma série de atividades na escola relacionadas à copa do mundo, mas não sei exatamente o quanto vocês entenderam sobre o assunto porque não falaram sobre isto em casa ainda. Não sei se tinham expectativa de assistir jogos com a mamãe. Mas nós não vamos acompanhar a copa do mundo, tá?

É que é assim ó, a mamãe não costuma acompanhar a copa. Minha primeira e última copa foi em 1994, durante as férias escolares, quando me reunia com os amigos do prédio para os jogos e – confesso – me diverti. Depois disso, não lembro mais de copas. Ou porque era de madrugada, ou porque eu estava trabalhando e sempre aproveitava os horários de jogo para me locomover pela cidade (gente, na boa, sair 1 hora antes do jogo e pegar o trânsitodosinfernos se eu podia sair no meio do jogo e chegar em casa tranquilamente?), ou porque eu tinha outras coisas mais legais para fazer.

Acontece que odeio futebol. Nem sempre foi assim, porque em algum momento da adolescência eu tentei me incluir no “socialmente aceitável”, tinha um time preferido, discutia os resultados de jogos e tal. Depois resolvi assumir que odeio.

Não é o esporte em si que eu odeio. Nada contra pessoas chutando uma bola para dentro do gol. Eu odeio: 1) brigas de torcidas, 2) movimentação exagerada de dinheiro em torno desse esporte, 3) gente que deixa de fazer qualquer outra coisa para assistir jogo, 4) gente que parece que só sabe falar sobre futebol, 5) multidões comemorando vitórias no meio da rua, 6) gente que sai na janela e xinga o vizinho no meio do jogo, 7) gente que chora quando o time perde a final do campeonato.

Desde que eu soube que a copa de 2014 seria no Brasil, fiquei me prometendo que tiraria férias e que passaria um mês fora do país. Mas com filhos e com um emprego novo, não organizei férias durante a copa e estou arrependida. Porque a copa será aqui e o clima não é de festa. Tem um clima de tensão no ar o tempo todo e fico feliz por vocês não entenderem essas coisas ainda. Tem greves (e elas podem piorar na copa), tem manifestações (e elas podem piorar na copa), tem amigos, colegas de trabalho, clientes e até motoristas de táxi reclamando que a economia vai parar durante a copa, que não vão conseguir trabalhar, que o país vai entrar em recessão. É um clima de depressão pré-copa. É um clima de medo. Não tá legal. E não aguento mais ouvir pessoas dizendo “imagina na copa”.

No dia seguinte aos jogos, vocês irão para a escola e vão estar por fora dos acontecimentos. Como a mamãe, tá? Nós vamos saber o resultado do jogo porque não somos tão alienados assim, mas não vamos saber as melhores jogadas, quem fez os gols, nomes de jogadores, esse tipo de detalhe. Nunca sofri bullying por não saber nada sobre futebol, então vocês também vão lidar bem com isso. Eu não sei o nome de nenhum jogador da seleção atual e não sei contra quem o Brasil vai jogar nos três jogos que estão na minha agenda do trabalho, e a gente vive bem sem essas informações, fiquem tranquilos.

Amo muito vocês dois.

Beijos

Mamãe Ruri

Etiquetado ,

Mamãe frustrada

Meus queridos,

Estou tentando ter essa conversa com vocês quase todos os dias, mas sei que vocês ainda não conseguem entender tudo o que estou falando. Só que eu vou continuar insistindo. Vou falar sobre isso um pouquinho por dia, todos os dias, até vocês conseguirem me entender.

Fato é que está muito difícil fazer qualquer coisa com vocês dois.

Pronto. Falei. Não tá dando.

Tá. Muito. Difícil.

Tô cansada de crianças que choram por qualquer coisinha, de crianças que correm para longe de mim e me obrigam a segurar firme as mãozinhas o tempo todo (só tenho duas mãos, lembram?), de crianças que fazem birra, de crianças que mexem em tudo que está pela frente sem perguntar se pode antes, de crianças que – do nada – resolvem fazer alguma coisa chata só para me irritar (exemplos: ficar em pé na cadeira para comer em pé, assoar o nariz sem papel e vir me mostrar melecas escorrendo por cima da boca, jogar coisas no chão). É chato, tô cansada, tá?

Eu programo um monte de coisas para fazermos juntos no finais de semana porque quero que vocês se divirtam e porque quero levá-los para ver o mundo! Invento um monte de coisas legais para levar vocês dois. E pretendo continuar levando. Mas, filhos, por favor, colaborem com a mamãe? Não tá dando para ficar fazendo um monte de programas que não são legais para mim, não. Eu volto para casa cansada, irritada e arrependida por ter saído com vocês, porque vocês não me obedecem. É muito chato. Tá quase valendo mais a pena passar os dias trancados em casa para não ouvir gritarias e para não ter que correr longas distâncias atrás de seres que não conseguem ficar parados ao meu lado.

O que eu espero de vocês dois, de todo o meu coração:

  • Que eu não tenha que chegar no restaurante e pedir para o garçom tirar todas as coisas de cima da mesa para que vocês não comam sal direto do saleiro, que não amassem todos os guardanapos, que não joguem azeite no cabelo da(o) irmã(o), que não batam o prato de porcelana na mesa. Que eu não tenha que pedir para não falar alto, para não bater talheres na mesa, para não jogar coisas no chão. Basicamente, que vocês não façam com que as pessoas das mesas vizinhas me olhem com cara de “restaurantes não são para crianças”, porque eu detesto fast-food.
  • Que eu consiga soltar a mão de vocês para fazer coisas necessárias, tais como: pegar minha carteira para pagar uma conta, amarrar meu tênis, cumprimentar uma pessoa.
  • Que vocês não chorem/ não façam escândalo na hora de ir embora. Melhor: que não chorem em ocasião alguma que não seja doenças ou machucados.
  • Que vocês não ponham a mão em NADA que não seja de vocês.
  • Que vocês fiquem sentados ao meu lado quando estivermos esperando alguma coisa (de consultas médicas a peças de teatro).

Me ajudem, por favor? Vamos começar a entender que os passeios precisam ser legais para nós três? Vamos começar a entender que eu tô tentando ser legal com vocês dois e tô esperando que vocês sejam legais comigo também? Por favor?

muitos beijos

Mamãe Ruri

Etiquetado , , , , , , ,

Carteirinha de estudante

Filho e filha,

Mamãe já vai fazer 33 anos e não estuda mais há muitos anos. A essa altura da vida, também convivo com pouquíssimas pessoas que ainda estudam. Mas, curiosamente, ainda convivo com muitas pessoas que usam carteirinha de estudante. Estranho, né? Também acho. 

Funciona assim, meus queridos: os estudantes têm direito a pagar meia entrada no cinema, no teatro, em shows e outros eventos. Por isso paguei apenas metade do valor do ingresso do teatro para cada um de vocês quando fomos assistir o Mágico de Oz. Será assim durante muitos anos, porque vocês ainda estudarão durante muitos anos. Mas aí vocês terminarão os estudos e esse direito também terminará, ok?

Algumas pessoas não estudam mais, mas resolvem falsificar a carteirinha de estudante para continuar usufruindo de um direito que não é mais delas. Isso é muito feio. Algumas dessas pessoas comemoraram muito a recente prisão de políticos corruptos, sem conseguir enxergar que elas também enganam e roubam. Não roubam tanto dinheiro, mas os conceitos de “enganar” e “roubar” são os mesmos, tá?

“Ah, mas as coisas são tão caras” – elas vão argumentar. “Não dá para pagar R$ 600 em um show”. Concordo. As coisas são caras e nem sempre temos dinheiro para fazer tudo o que queremos. Mas eu quero ensinar para vocês que quando acho alguma coisa cara, eu escolho não comprar e nunca escolho roubar. Nós não devemos roubar essa coisa porque não pretendemos pagar por ela. Quando acho que um par de sapatos está muito caro, eu não pago por apenas um e roubo o outro da loja. Eu não compro. Ponto.

Então, meus lindos, por favor, prometam para a mamãe que nunca na vida irão falsificar carteirinha de estudante, tá? Isso vai me deixar muito triste.

um beijo

Mamãe Ruri

Etiquetado , ,