Os amores do meu filho

O primeiro amor

A gente chegou para as férias no hotel fazenda e foi direto jantar. Ele estava no cadeirão, com seus três anos e seu prato de macarrão, quando a menininha entrou. Era um pouco mais velha que ele (quatro anos?), com cabelo castanho claro, liso e comprido. Isaac espichou o pescoço, ficou seguindo a menina com os olhos, virou o corpo para o outro lado, quase teve um torcicolo. Parecia ter visto a Frozen. Aí virou para mim:

– Mamãe, eu gosto dela!

Aí eu tive que ensinar que não pode ficar secando mulher dessa maneira. Pô, Isaac. Sem fiu fiu. Ensinei que ele tinha que ir com calma e esperar um momento adequado para falar com ela. Não, não pode levantar da mesa no meio do jantar, até porque a menininha também ia jantar com os pais. Isso, termina seu jantar e depois a gente vê. Na verdade, depois não vimos mais onde ela estava e fomos para o quarto tomar banho e dormir.

Por algum motivo só vimos a menininha de novo dali a algumas refeições. Dessa vez, ele já tinha terminado de comer e tinha música ao vivo no restaurante, e algumas crianças estavam dançando. Deixei ele ir até lá. Ajudei a descer do cadeirão (gente, ele ainda usava cadeirão) e ele deu dois passos. Parou, voltou:

– Mas o que eu falo para ela, mamãe?

Ah, que saudade vou sentir desse tempo em que posso dar conselhos amorosos para filho.

– O que quiser. Pergunta o nome dela.

– Tá. – deu dois passos. Parou. Voltou.

– Tenho vergonha.

Coisa fofa. Esmaguei. Ele tentou mais uma vez. Perguntou o nome, ela respondeu e ele voltou correndo para mim:

– Mamãe, ela se chama x!!

Esqueci o nome do primeiro amor do meu filho. Ele também não conseguiu falar mais nada com ela, de vergonha. Preferiu ficar no meu colo, olhando de longe, e eu não reclamei, não. 🙂

O segundo amor

Agora é a Bia. Da escolinha, da sala da Ruth. Uma das melhores amigas da Ruth. Não sei se ele está tentando irritar a Ruth. Talvez não. Vai saber.

– Isaac, você é o amor da minha vida. – estávamos indo a pé para a fono.

– Você também, mamãe. Você e a Bia.

(Minha cara de “quem é Bia?”)

– Eu vou casar com a Bia. Mas só vou casar quando eu for adulto, porque senão você vai brigar.

(Vou brigar de qualquer jeito)

– E vou ficar sozinho em uma casa, eu e a Bia.

(Pelo menos você sabe que não vai morar comigo nem com a mãe da Bia depois de casar, Isaac)

Agora tem desenhos para a Bia todo dia. Bilhetinho pra Bia. Toda vez que falo que o amo, ele responde que ama nós duas, eu e a Bia.

Pô, Bia. Não estava preparada psicologicamente para dividir meu menino. Tá muito cedo. ❤

Anúncios
Etiquetado ,

2 pensamentos sobre “Os amores do meu filho

  1. […] não foi o Isaac. A Ruth também tem um namorado. E a Ruth sempre me arruma uma encrenca maior. Isaac vai de mãos […]

  2. […] dias Isaac estava desenhando ele e a Bia, como todos os dias, e me […]

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: