Arquivo da tag: carreira

Não tem que trabalhar

Chegou sexta final de tarde e eu estava com a apresentação de segunda pela metade. Era o momento de decidir: faço uma força para terminar tudo no escritório e deixo os dois esperando em casa com a babá ou saio no horário e termino durante o fim de semana? O clima na firrrrma já era de distração e resolvi sair. Tinha pela frente 48 horas para trabalhar umas 2 horinhas e eu também já não estava rendendo mais.

Sexta à noite, após bebês na cama, eu tentei uns slides, mas não rolou. Muito cansaço. No sábado, entrei de cabeça no esquema duascrianças + casanova + festainfantil e só parei meia noite. No domingo, não tinha mais jeito: eu tinha que trabalhar.

Acordei os dois, dei o café e expliquei (bem mal explicado):

– Hoje não vamos sair. Vamos ficar em casa. Vocês vão ficar brincando e a mamãe vai ter que trabalhar um pouco.

Meu filho começou um choro sentido de cortar o coração. Com lágrimas, com dor. Demorou para ele conseguir explicar. Mas tinha lógica.

– Hoje é dia de ficar com a mamãe. A escola tá fechada, a gente não vai pra escola hoje. A gente não quer ficar sozinho. Você não precisa trabalhar hoje. Você não tem que trabalhar hoje, trabalha quando a gente for pra escola.

Meu, não me mata de remorso. Fiquei repensando os almoços longos, os cafés mais demorados, aquele tempo perdido na internet. Eu trabalhei, não teve jeito, sentada no sofá com os dois ao meu lado assistindo Frozen. Mas não vou fazer mais isso. Mães precisam ser mais produtivas no escritório. Ou trabalhar de madrugada. Eu preciso organizar isso melhor.

Etiquetado , ,

Abaixo os pirulitos

Toda vez que abro a mochila de meus filhos e encontro lembrancinhas das festinhas de aniversário na escola (i.e., pacotinhos recheados de balas, pirulitos, chicletes, adoçantes e corantes), eu imediatamente transfiro para minha mochila e entrego para minha equipe ficar feliz e adoçada no dia seguinte.

Tudo bem transparente: meus filhos sabem que eu não deixo comer balas, pirulitos e afins e minha equipe sabe que estou dando para eles o que não dou de jeito nenhum para meus pequenos.

É assim que sou mãe e é assim que sou chefe. 😉

Etiquetado , ,

Há dois anos

Há dois anos, Isaac e Ruth me escolheram para ser mãe e vieram morar junto comigo. Nesse dia eu deixei de ser uma pessoa sem filhos e virei mãe. Eu morri e renasci nesse dia. Morri, porque nunca mais vou ser quem eu era. Renasci, porque ganhei uma nova vida e tive que reaprender a viver.

Eu era egoísta, no sentido mais literal da palavra. Eu era a pessoa mais importante da minha vida. Tudo que eu fazia era para ME sentir bem: saía quando eu quisesse e para onde eu quisesse, trabalhava até a hora que achava conveniente, gastava dinheiro com as coisas que me deixavam (ou eu achava que) me faziam feliz. Tinha liberdade para ir e vir. Organizava minha rotina do jeito que achava mais bacana para mim mesma: a hora de ir na academia, a hora de sair para ir ao trabalho, a hora de voltar para casa, a hora de comer (ou não comer), a hora de acordar. Queria ser diretora, depois VP, depois CEO de empresa, porque estava na hora de investir na carreira.

Como mãe, eu me preciso me adaptar o tempo todo em minha própria vida. Eu quero que eles estejam felizes, que tenham todas as coisas que precisam, que tenham saúde, que sejam educados, que brinquem bastante. Eles têm seus horários para acordar, dormir, comer, ir para escola, voltar da escola e eu preciso respeitar. Monto meus horários só depois de organizar as coisas que eles vão fazer. Só tomo banho, janto, volto a trabalhar ou vou fazer qualquer coisa que gosto de fazer quando eles vão dormir. É difícil encontrar tempo para malhar. Se acontece qualquer coisa inesperada com eles (um dodói, uma ligação na escola, algum comportamento diferente) paro tudo o que estou fazendo para atendê-los. Saio do trabalho todos os dias apressada, porque quero chegar em casa o mais rápido possível para ficar com os dois. Depois fico em casa de vigia, zelando o sono deles. Acordo todo dia no mesmo horário porque eles têm hora certa para ir para a escola. Não posso aceitar convites para um HH depois do trabalho, porque meus filhos me esperam em casa. Por que você não os deixa dormir com a babá? Porque sou eu quem os coloca todos os dias na cama, não abro mão, faço questão.

Como mãe, mudei o jeito como encaro minha carreira. Hoje sou diretora, por acaso, mas o mais importante hoje é realmente me divertir no trabalho, senão não vale a pena passar o dia todo longe deles. Não faço coisa chata e sem sentido, não fico até tarde no escritório e não perco tempo com cafés demorados ou bobagens na internet porque preciso ser muito produtiva nas (só e somente só) 8 ou 9 horas que tenho por lá.

Passei a ter mais medo. Tenho medo de morrer e deixá-los sem mamãe. Tenho medo de que não sejam felizes, tenho medo de errar na educação, tenho medo de não ser boa mãe.

Quando virei mãe, ganhei muito mais amor. O meu e o deles. Aprendi a ter família, a pensar sempre em três, a chegar em casa e encontrar luzes acesas, bagunça e amor. Aprendi a ter pessoas dependendo de mim, precisando de mim, me querendo por perto e a achar isso muito legal. Aprendi a amar, a me dedicar, a cuidar de alguém.

Nunca mais serei só eu. Eu sou três. Ruri + Isaac + Ruth.

Etiquetado , , ,

Sejamos claros

Achei um rascunho que estava guardado há exatamente um mês. Para comemorar, resolvi publicar, sem tirar nem colocar nenhuma palavra. Aí vai.

Meu filho deu um escândalo comigo outro dia na porta da escola. Ele queria alguma coisa, não deixei e ele liberou toda a raiva de seu coraçãozinho, com frases lindas de morrer:

– Você é muito feia! Eu não gosto de você! Eu não sou mais seu amigo! Tô muito bravo com você! Vai embora!

Bem alto, pro bairro inteiro ouvir. Morri de raiva, confesso. Mas não dava para ter uma conversa naquele momento com ele naquele estado de fúria e fui embora. Fui embora aliviada porque ia conviver com pessoas adultas e esquecer aquele episódio imaturo do início do dia. Porque o mundo das pessoas adultas é maduro, ponderado e equilibrado, certo?

Não.

Curiosamente nesse mesmo dia uma série de episódios me deixou mais brava ainda que a cena na porta da escola. Em resumo: gente falando mal de outras pessoas pelas costas e gente com dificuldade de dar feedbacks claros e diretos para os outros. Esse é o mundo dos adultos, na verdade.

Voltei para casa com saudades deles e com vontade de agradecer a sinceridade dos dois. Fiquei com vontade de elogiar e reconhecer a capacidade de dizer o que pensam na minha cara, olhando nos meus olhos. Fiquei me perguntando em que momento da vida a gente desaprende que falar o que pensa faz bem para os relacionamentos (filho, obviamente você poderia escolher melhor as palavras) e que não adianta nada ficar falando mal de alguém para os outros.

Nossa relação em casa é um belo exemplo de avaliações 360º. Eu direciono, deixo claro o que espero deles, avalio os dois e dou feedbacks constantemente. Eles me devolvem feedbacks dizendo o que devo melhorar e quando estou exagerando. E se avaliam entre si também e deixam muito claro quando não gostam de alguma coisa que o irmão fez. É um processo muito transparente e todo mundo se expressa e é ouvido.

Dá para a gente aprender com as crianças, povo?

Etiquetado , , , ,

Trabalhar fora

Ser mamãe que trabalha fora é uma não-questão na minha vida. Não é só porque preciso de dinheiro para pagar as contas. Também não sou lá aquela super profissional agressiva que almeja um cargo de CEO em uma grande organização. Eu só não tenho vocação para ser mamãe em tempo integral. Sou feliz assim, com um emprego, saindo cedo para trabalhar todos os dias.

Só que, para sair de casa todo dia e ir trabalhar, tenho uma super infra-estrutura: a escola está paga 12 horas por dia (não uso, mas vai que), tenho uma pessoa em casa outras 8 horas por dia (também não precisaria sem os filhos) e uso a perua escolar. Tem o custo, tem a energia gasta na organização e manutenção de toda essa logística. E mais importante, é muito tempo longe dos meus pequenos para fazer tudo isso valer a pena.

Então eu criei um objetivo na minha vida: se é para sair da minha casa todo dia e morrer de saudades dos meus bebês, eu preciso me divertir. O conceito de diversão no trabalho envolve uma série de fatores: uma empresa em que eu acredite, cercada de gente interessante, inteligente e que eu admire, com um super espírito de colaboração, trabalho em equipe, ética e transparência. Não quero sair de casa só para ter um salário e passar os dias esperando o horário de poder voltar para casa.

Hoje saí de casa para o terceiro emprego pós-maternidade. Tô muito muito muito feliz. Me desejem boa sorte de coração?

Etiquetado , , , ,

Pra tudo tem um jeito

– Como você consegue cuidar de dois bebês de um ano sozinha o dia todo (durante a licença maternidade)?

– Como você consegue conciliar o trabalho em consultoria e dois bebês pequenos em casa?

– Como você consegue assumir um cargo novo em uma empresa nova com dois bebês pequenos?

– Como você consegue ser mãe solteira, trabalhar fora e ter dois filhos pequenos?

– E agora, como você tá conseguindo fazer tudo isso sem carro?

Gente, vou contar quando comecei a achar todos os problemas da vida muito simples: quando fui ao fórum e passei por diversas entrevistas para dizer que eu tava pronta para adotar uma criança. Uma criança só, mas eu aceitaria dois se fossem gêmeos. Gêmeos é mó legal, vai? Casal, então, nem se fala. Aí me ligaram e me perguntaram se eu gostaria de conhecer um casal de gêmeos de um ano e disse que sim. E os trouxe para casa uma semana depois sem mal ter tido tempo de fazer os enxovais direito.

A gente vira mãe e precisa zelar pela saúde, pela educação e pelo desenvolvimento emocional dos filhos. Isso é difícil. Qualquer outra coisa é muito fácil. Trabalhar fora, não ter carro, não ter dinheiro no final do mês, manter a geladeira abastecida, qualquer outra coisa é fichinha.

Essa é uma parte legal demais da maternidade: a gente perde o medo da vida. A gente simplesmente vai lá, resolve as coisas e fica tudo bem.

Etiquetado , ,

Mãe não é tudo igual

Quem inventou esse negócio de “mãe é tudo igual, só muda de endereço” só pode estar doido. Depois que virei mamãe, e passei a acompanhar blogs, posts e conversas de outras mamães, percebi que as mães são, sim, muito diferentes uma das outras. Mães são uma combinação de opiniões fortes a respeito de temas polêmicos, e é impossível dizer que são todas iguais.

Não tô dizendo que tem certo ou errado. São opiniões, pontos de vista. Não se ofendam, não, tá? Mas aí vão alguns assuntos que tornam as mães muito únicas:

  • Tipo de parto: tem mães que defendem o parto normal, humanizado, na água, em casa, de cócoras, sem médico, sem hospital, e depois comem a placenta. Tem mães que acham prático agendar dia e horário e aplicar uma boa anestesia, para não ter sofrimento nenhum. Essa polêmica não fez parte da minha vida, então não tenho nenhuma opinião. Tenho uma opinião muito forte sobre visitas aos recém-nascidos. Bem forte, quase mal educada. Imagina que você é um serzinho pequenino, que viveu nove meses dentro da barriga da sua mãe, quentinho, embrulhadinho, com poucos barulhos, pouca luz, bastante conforto e comida em livre demanda. Imaginou? Agora imagina que você teve que sair desse mundo confortável (por parto normal ou por cesárea, não importa!) e veio para o mundo exterior de uma hora para outra, sem período de adaptação nem nada. Imaginou? Aqui fora tem barulho, tem sujeira, tem gente falando alto, tem gente ouvindo axé, tem luzes, tem o Faustão falando na TV, e você precisa chorar para perceberem que está com fome. Eu não consigo imaginar nada mais traumático do que nascer, sério mesmo. Deve ser o pior momento de nossas vidas. Mas não tem jeito, tem que nascer. Cara, mas aí eu me pergunto: por que as pessoas vão visitar um serzinho que acaba de passar por essa experiência traumática nos primeiros dias de vida, e querem pegá-lo no colo, apalpar seu corpinho, dar beijinhos, fazer comentários em voz alta, em vez de deixá-lo se adaptar a essa triste realidade no colo de sua mãe? Por que, minha gente? Se eu tivesse parido, ia proibir as visitas. Desculpem a falta de educação, mas eu ia.
  • Amamentação: aí tem as mães que fazem questão de amamentar exclusivamente até os seis meses de vida, sem admitir um leitinho artificial, e depois continuam oferecendo o peito em livre demanda até que seus filhos desmamem naturalmente aos 2 ou 3 anos. Tem outras que – por motivos diversos – abrem mão da amamentação quando o bebê tem poucos meses de vida. Esse é outro assunto que não fez parte da minha vida de mãe. Se, por um lado, eu odeio coisas artificiais na alimentação dos meus filhos, por outro lado acho que eu ficaria um pouco louca se tivesse que ficar totalmente à disposição da(s) cria(s) para alimentá-la(s) durante seis meses ininterruptos. Difícil, hein?
  • Cama compartilhada: gente, é tanta coisa. Tá, eu não passei pelo período “recém-nascido mamando a cada 2 horas”, porque tendo a concordar que facilita a vida de todos se o bebê estiver no quarto da mãe. Também tendo a concordar que, depois de ter passado pela experiência traumática citada no primeiro bullet, é muita judiação deixar o coitadinho sozinho em um quarto desconhecido durante a madrugada. Difícil. O que eu não consigo entender é a falta do que vou chamar de “tempo de adulto” na vida das mães que fazem cama compartilhada. Explico: eu estou aqui na sala da minha casa enquanto meus filhos dormem tranquilamente no quarto deles há umas duas horas. Estou curtindo meu “tempo de adulto”, quando janto, tomo banho, leio, escrevo, fico em silêncio, trabalho, assisto um filme de adulto ou durmo. Se a mãe faz cama compartilhada, imagino que ela vá dormir junto com o filho, ou estou enganada? E não tem nem um tempinho só de adulto na vida? Aí hoje li esse post aqui, que cita a vida sexual das mães que fazem cama compartilhada: Você tem sofá/futon/chuveiro/ outros cômodos na casa?, a autora pergunta. Sim, todo mundo tem. Só não quer dizer que o sofá/futon/chuveiro (gente, please, e o tanto de água que isso deve gastar?)/ outros cômodos na casa sejam os mais legais para isso, né? Quer dizer que pós-nascimento dos filhos a cama de casal deixa de ser palco da vida sexual e os pais passam a utilizar outros locais na casa não originalmente concebidos para tal?
  • Trabalhar fora ou ser mãe em tempo integral: ser mãe e ter um emprego full-time é f. Você está sempre com a sensação que não faz nada direito e vive se sentindo culpada. Frequentemente, uma coisa invade o espaço dedicado a outra coisa e a culpa cresce ainda mais: é criança que fica doente e te obriga a faltar no trabalho ou é o trabalho que não termina na hora certa e te faz atrasar para chegar em casa. Aí você está no trabalho pensando nas coisas do filho e está em casa pensando que não respondeu aquele último e-mail antes de sair. É f. Mas f mesmo deve ser a vida de mãe em tempo integral. Vida de mãe em tempo integral não tem final de semana ou horário de almoço ou pausa para o café. A mãe em tempo integral é responsável por todas as refeições, todos os xixis e cocôs (na fralda ou no vaso, até que aprendam a se limpar sozinhos), por todas as brincadeiras, por todas as birras, por todos os banhos, todas as broncas. A mãe em tempo integral não pode simplesmente marcar um almoço com uma amiga, porque não pode deixar o filho sozinho em casa. Eu sei bem como essa vida é difícil porque tirei quase seis meses de licença maternidade. Admiro as mães em tempo integral, porque acho que a vida delas é bem mais difícil que a minha, que sou mãe que trabalha.
  • Escola ou babá: o que vou discutir não é nem a questão de deixar o filho aos cuidados de uma pessoa contratada para tal função, que não é da família, que pode pedir demissão a qualquer momento, com quem a criança criará laços profundos. Eu fico me perguntando como é que os pais garantem que a babá está entretendo seu filho de uma forma bacana, variando as brincadeiras, não os deixando morrer de tédio ou mofar na frente da televisão. Durante os finais de semana, eu frequentemente não tenho imaginação para ocupar e estimular meus filhos como eles precisam durante as 48 horas, e sofro com birras e momentos de tédio, quando eles resolvem fazer tudo o que sabem que não podem fazer. Haja criatividade no job description das babás, hein?

Só com esses cinco itens, a gente poderia criar pelo menos uns trinta tipos de mães diferentes. Não é só o endereço que muda, não, gente.

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

É. Difícil.

Gente, tô de mau humor hoje, juntando uma TPM, um carro sem combustível na chuva, uma agenda de reuniões no trabalho difícil de coordenar e um calor que dá vontade de andar pelada por aí. Então vou ser um pouco amarga, ok?

Eu lembro bem quando saí da casa da minha mãe para morar sozinha e achei a vida de adulto muito difícil. De repente, além de trabalhar e estudar (eu fazia mestrado na época), eu tinha que cuidar de um apartamento (incluindo problemas no encanamento e chuveiros que quebram no meio de uma semana caótica), de contas para pagar (incluindo lembrar de pagá-las, além de ter o dinheiro), de coisas para resolver (incluindo agendar e levar o carro na revisão, já que minha mãe não estava mais por perto para pedir favores aleatórios do dia a dia), tudo sozinha. Aí eu resolvi virar mamãe e somei a tudo isso o piémôu do projeto “conduzir dois bebês da infância até a vida adulta”.

Mano, não é mole, tá? Eu não tinha noção do quanto é difícil ser mamãe até virar uma mamãe. Hoje eu tenho admiração e compaixão por todas as mamães do mundo. Sério mesmo. Hoje sei que nenhuma escolha relacionada à maternidade é simples e admiro todas elas.

Eu escolhi conciliar trabalho e maternidade. Fazem parte dessa escolha argumentos como: 1) eu gosto de trabalhar, 2) eu não suporto ficar muito tempo em casa, 3) eu não nasci rica, 4) eu não me casei com um papai rico, 5) eu não ganhei na loteria até agora. Mas esses argumentos não vêm ao caso. O caso é que estou aqui tentando conciliar dois papéis e até agora não encontrei a fórmula mágica para estar totalmente feliz, satisfeita e realizada com a minha escolha.

Nesses doze anos desde que comecei a fazer meu primeiro estágio, nunca tive um ano tão confuso no trabalho. Trabalhar sempre foi o cargo principal exercido durante a semana e, apesar de nunca ter sido apaixonada por trabalhar aos finais de semana, virar madrugadas ou ter que viajar, eu nunca tinha tido tremedeiras ao pensar nessas coisas. Sempre trabalhei com coisas que eu gostava, sempre fui do tipo que abraçava mais coisas que cabiam nas 8 horas diárias, sempre fui dedicada, comprometida, disponível e feliz com tudo isso. Só que de uma hora para hora, eu não tinha mais que 8 horas por dia para ficar no escritório, não conseguia mais abraçar tudo o que eu queria, mas continuo gostando do que faço, continuo tentando ser feliz com tudo isso e passei a sofrer por não me achar mais tão dedicada, comprometida e disponível como eu era antes.

Quem fica escrevendo por aí que as mamães ficam mais produtivas depois da maternidade só deve ter conhecido mamães de sorte cujas rotinas nunca saem do previsto. Eu tento, tá? Juro. Mas a escola me liga no meio do dia para falar sobre os mais variados assuntos, fazendo meu coração pular cada vez que acho que aconteceu alguma coisa grave com eles. Eles ficam doentes e me fazem agendar consultas, exames, passar na farmácia, trabalhar de casa, tudo no horário que eu queria estar bem produtiva no escritório. A empregada pede demissão e me faz agendar entrevistas e mais entrevistas para encontrar uma nova pessoa para me ajudar com os dois no final do dia. E por aí vai.

Tá. Tô exagerando. Essas coisas não acontecem toda semana, mas acontecem de vez em quando e, quando acontecem, deixam a mamãe louca. É óbvio que meus filhos são prioridade, então é óbvio que paro o que estiver fazendo para resolver qualquer problema deles. Quando estou com eles, estou só para eles. Não atendo o celular, não checo e-mails, não respondo mensagens e só volto a ficar conectada para o mundo depois que eles vão para a cama. Chegar tarde para vê-los dói, como contei aqui. E, por serem prioridade e as coisinhas mais importantes da minha vida, eu tive que colocar alguns limites no trabalho por causa dos dois.

Colocar limites parece fácil, né? Eu não consigo chegar cedo demais em uma reunião porque não consigo adiantar o horário que a escola abre e também não acho tão legal ficar acordando os dois de madrugada para sair cedo de casa. Eu não consigo trabalhar até mais tarde porque eu não quero ser a mamãe que chega em casa e as crianças já estão dormindo. Eu não consigo viajar a trabalho porque dormir longe dos dois me destrói. Eu não consigo trabalhar aos finais de semana porque é meu tempo com eles, só para eles e nós precisamos desse tempo juntos. Fácil falar, né? Mas se eu não consigo fazer nada que extrapole minhas 8 horas diárias mas também não consigo ser 100% produtiva durante as tais 8 horas, que catso estou fazendo para merecer o salário no final do mês?

Ah, o salário. Eu gosto do salário e não posso ficar sem o salário. Claro, eu acho que eu devia e precisaria ganhar um pouco mais, porque o salário nunca dá para tudo o que quero fazer no mês (e sei que esse não é um problema só meu no mundo). Eu também olho pro orçamento e não sei onde reduzir para fazer caber em um salário menor, então gostaria que meu salário ficasse no mínimo onde ele está hoje. Mas para merecer, eu preciso trabalhar direito. Aí alguém me explica cadê o jeito de conciliar direito esse negócio de trabalho e maternidade? Como eu me livro dessa sensação diária de que não sou boa nem em uma coisa nem em outra?

Etiquetado , , , , ,

Babá e bagunça

No primeiro dia, eu estava na porta do prédio com a Cleide esperando os bebês e a perua. No segundo dia, vim para casa cedo, mas fiquei no apartamento enquanto a Cleide desceu sozinha para esperá-los. No terceiro dia que tinha uma reunião que terminaria às 18h e pouco e seria a primeira oportunidade para testar se todo o esquema tinha dado certo.

Antes de sair para ir para escola nesse dia, eu expliquei que eles iriam voltar de perua e que a Cleide estariam esperando os dois em casa. Que eles tinham que obedecer a Cleide e fazer tudo como fazem com a mamãe. No carro, retomei a conversa:

– Quem vai voltar de perua?

– Eu!

– Quem vai estar em casa esperando vocês chegarem?

– A Cleide!

– O que vocês vão fazer com a Cleide quando chegarem? (eu esperava uma resposta do tipo: “tomar leite”, “comer fruta”, “tomar banho”, “escovar os dentes”, ou algo assim)

– Bagunça!

Não. Não. Não. Nesse momento eu desenvolvi uma fobia. Medo de ter dois pestinhas que assustam todas as babás (acho que já vi um filme assim, não existe?).

Passei o dia mentalizando “Cleide, por favor, seja forte, não deixe os dois dominarem você”. Só liguei para ela para ter certeza que ela tinha chegado em casa para trabalhar e resolvi conferir o resultado da experiência só quando entrasse em casa. E passei o dia em um uorquixópi com um cliente, pensando na Cleide me dizendo: “eu só tenho medo mesmo de ter que dar banho nos dois sozinha”. O cliente discutia o novo maindiséti para entender seus clientes, e eu só pensava em como alguém pode achar difícil dar banho em duas crianças ao mesmo tempo. É tão fácil, pô. Liga o chuveiro, espera a água esquentar, tira a roupa da criança, pede para ela não fazer xixi ou cocô no chão (não desfraldei, às vezes dá nisso), molha a criança, lava o cabelo com xampu, enxágua, lava o corpo com sabonete, enxágua, passa condicionador no cabelo, enxágua, toma cuidado o tempo todo para a criança não escorregar no chão molhado e cair e bater a cabeça no chão e morrer, desliga o chuveiro, embrulha na toalha e enxuga. Ao mesmo tempo, presta atenção na criança que ficou do lado de fora do box, porque ela vai estar fazendo algumas das alternativas a seguir: 1) subindo no vaso e dando descarga, 2) subindo no vaso, abrindo a torneira da pia e se molhando inteira, 3) subindo na pia e tentando suicídio infantil, 4) puxando o rolo de papel higiênico e encenando aquela propaganda dos anos 80, 5) abrindo a tampa do vaso e pulando de cabeça lá dentro, 6) abrindo o armário ou gavetas e tirando todas as coisas para fora – o que inclui engolir produtos de higiene pessoal, 7) abrindo o cesto de lixo e brincando com papel higiênico usado, 8) brincando com alguma coisa que mamãe deu para ela se distrair (mas essa cena eu nunca vi). Quanto terminar, inverte as crianças e repete tudo isso só mais uma vez.

Eu me segurei e resolvi não ficar ligando para atormentar a moça – mais do que os dois já deviam estar atormentando – para fazer perguntas bobas do tipo: “você conseguiu subir com dois bebês e duas mochilas?”, “você conseguiu fazer os dois sentarem nos cadeirões para comer uma fruta?” ou “promete que não foge e não larga os dois sozinhos em casa até eu chegar?”.

Peguei trânsito. Cheguei ansiosa. Abri a porta da sala e entrei correndo. Encontrei os três sentados no chão do quarto, brincando, e foi muito legal. Foi muito legal porque ultimamente eles vinham me recebendo na escola com um ar de “mas já, mãe? não posso brincar mais um pouco aqui?” e sempre um ou outro entrava no carro fazendo birra. Ontem quando cheguei eles abriram sorrisos imensos e vieram me abraçar. Pediram para eu sentar para brincar também. A Cleide estava sorrindo também, então acho que ela não teve pensamentos suicidas.

Fiquei com eles até a hora de dormir e depois também fui pra cama. Feliz.

Etiquetado , , , , , , ,

Mamãe estressada

Epílogo

Chegar a uma conclusão assim não foi um processo fácil e muitas vezes foi bastante doloroso. Eu achei que tinha falhado e que não era uma boa mãe inúmeras vezes. Eu achava tudo o que vou contar um absurdo. Mas hoje estou tranqüila e feliz com a decisão que tomei: contratei alguém para me ajudar com os bebês.

Fato

Eu escolhi uma carreira há mais de três anos da qual gosto muito: sou consultora. Nos quase três anos em que trabalhei em uma consultoria de estratégia, eu ficava no escritório umas 12 ou 13 horas por dia em média. Nunca conseguia jantar em casa. Mas, se por um lado parece desumano, por outro lado eu me divertia. Depois que virei mãe, passar as noites no escritório perdeu o sentido, claro. Eu trabalhei na empresa por três meses depois de voltar de licença maternidade, sempre saindo por volta das 18h para ficar com meus pequenos, o que me obrigava a mergulhar no trânsitodosinfernosdesãopaulotodosantodia, além de sempre ter que parar alguma coisa para sair correndo. Mudei de emprego, continuo consultora, parei de jantar no escritório ou levar tanto trabalho pra casa e por um tempo consegui estar às 19h todo dia na porta da escola para pegar meus bebês e levá-los para casa. Não sem antes enfrentar o trânsitodosinfernosdesãopaulo e chegar lá estressada demais.

Complicação

Eu juro que tenho um sentimento muito feio: eu morro de saudades do tempo em que eu podia ficar no escritório até tarde e que não fazia a menor ideia do que é o trânsito de São Paulo às 18h. Eu nunca queria ter conhecido a Bandeirantes nesse horário. Eu nunca queria ter descoberto que nenhum caminho alternativo às 18h funciona, nem nenhum aplicativo inteligente no IPhone. E eu realmente espero que apenas as pessoas que precisam buscar seus filhos na escola se joguem na rua nesse horário. Caso contrário, gente, não façam isso, não! Faz mal pra saúde!

O problema foi que, mesmo tendo aprendido que na maioria esmagadora das vezes eu consigo chegar na escola no horário certo, eu já começo a semana tensa. Toda segunda é dia de ficar olhando a agenda e me estressando com os horários das reuniões. A partir das 17h, todo dia, eu inicio o momento será-que-vou-conseguir-sair-às-18h e perco toda e qualquer atenção no que estou fazendo. Todo dia às 18h eu saio de onde estiver em São Paulo rumo à escolinha, chorando, mentalizando um calmaquevaidarprachegarnohorário. Todo dia pego meus filhos com cara de cansada e tensa e isso não é nem um pouco legal com crianças.

Eu odeio horários. Odeio horários porque sou uma pessoa maníaca que sempre chega adiantada, com medo de perder o horário ou com medo de deixar alguém me esperando. Eu chego 3 horas antes de vôos nacionais e sempre chego antes do paciente anterior quando tenho consulta médica. Odeio atrasar. Eu devia fazer terapia para isso, eu sei. Mas eu teria que marcar horário com uma terapeuta e isso iria me estressar mais ainda. Eu, por exemplo, pratico musculação e corrida não porque são coisas que eu ame fazer, mas porque são coisas que posso fazer em qualquer horário. Posso entrar na academia a hora que eu quiser e sair a hora que eu quiser e pronto. Spinning às 7h? Me dá calafrios. Aula de jump às 20h? Me enlouquece só de pensar.

Enfim.

Aí, saber que meus filhos estão me esperando na escola, cansados, depois de passar o dia todo lá, é a pior sensação do mundo. Ficar pensando que eu vou ser uma das últimas mamães ou papais a chegar lá e que as tias vão começar a apagar as luzes das salas que forem ficando vazias é agoniante. Ter consciência que eu passo um tempo com eles de péssima qualidade, porque eu demoro para me recuperar de todo o stress com horário e trânsito, me mata um pouquinho todo dia.

Para piorar, a escola começou a cobrar multa a cada 10 minutos de atraso.

Solução

Aí algumas pessoas me deram sugestões que parecem lindas, mas não se encaixam em mim.

1. “Por que você não abre um negócio?”: porque eu precisaria de uma ideia brilhante ou um talento muito grande (fazer cupcakes, fotografar, cortar o cabelo dos outros), mas eu não tenho nem um nem outro.

2. “Por que você não presta concurso público para ter uma vida mais tranquila?”: porque a maioria dos concursos com bons salários também exigem que você faça trabalhos burocráticos e repetitivos, tipo ficar checando se as pessoas pagaram direito seus impostos. Tem coisas bacanas e bem remuneradas, tipo ser juíza ou promotora, mas eu estudei engenharia. E também não consigo imaginar uma juíza dizendo: “vamos interromper esse julgamento agora, que tenho que buscar meu filho na escola”.

3. “Por que você não muda de casa?”: porque hoje os bebês amam a escolinha, meu filho faz fono do lado de casa com uma terapeuta que ele adora e estou relativamente perto de um vovô e de uma vovó. Mudar faria muito mais confusão em nossas vidas.

4. “Por que você não os coloca em uma escola perto do escritório?”: 1) porque nem sempre termino o dia no escritório – visito muitos clientes, 2) porque os bebês amam a escolinha atual, 3) porque se o trânsito já me estressa sozinha no carro ouvindo a música que quero, imagina o nível de stress de uma mamãe parada no trânsito durante 1 hora com dois bebês impacientes ouvindo Galinha Pintadinha? Socorro? Resposta séria: porque não acho justo que eles conheçam nosso trânsito infernal tão novinhos. Só por isso. Prefiro sofrer sozinha.

5. “Por que você não arruma um emprego que permita que você saia às 17h todo dia, para fazer alguma coisa bem legal, com o mesmo salário e benefícios que você tem hoje?”: que emprego é esse, gente? Alguém encaminha meu CV?

7. “Por que você não pára de trabalhar?”: só se eu puder parar de pagar minhas contas também. Tem como?

Todo dia eu invejo as pessoas que moram em cidades fofas, onde o transporte público funciona bem e chega em todos os lugares e onde as pessoas andam pra lá e pra cá de bicicleta sem medo de morrerem atropeladas por um motorista maluco. Sério. Seria lindo. Mas como eu moro, trabalho e crio duas crianças em São Paulo, precisei pensar em soluções realistas: contratei a perua da escola para que eles voltem para casa e uma pessoa que esteja em casa todos os dias quando eles chegarem aqui. Não tenho um super orgulho disso. Nunca quis ter uma babá. Mas é a forma como acho que nossa vida vai funcionar melhor.

Na prática, a rotina não deve mudar muito. Eles vão chegar em casa por volta das 19h, horário em que eu os buscava na escola. Eu vou continuar saindo cedo para ficar com os dois à noite, mas sem aquela preocupação horripilante com atrasos, pois eles estarão tranquila e confortavelmente me esperando dentro de casa. Vamos tomar banho juntos, tomar leite juntos e ir para cama juntos todos os dias. A única diferença é que mamãe não vai ter passado 1 hora xingando o trânsito, a chuva, a cidade, e vai estar muito mais calma e emocionalmente disponível para eles.

Hoje eles vieram de perua para casa pela primeira vez e eu estava esperando-os aqui junto com a Cleide. O tio da perua me disse que a professora contou que eles falaram na tal da perua o dia inteirinho. Chegaram felizes com a novidade e o coração da mamãe ficou bem mais tranquilo.

PS: uma amiga comentou que esse post está caótico demais. Gostei do feedback. Acho então que eu consegui transmitir exatamente o que buscar-na-escola-todo-dia-às-19h me causa: caos! 🙂

Etiquetado , , , , , , ,